Centro Histórico é palco de Festa Nacional Francesa

Foto: Alex Pazuello Paço da Liberdade

O Paço da Liberdade ganhou as cores da bandeira francesa, no último fim de semana, para celebrar o dia 14 de julho – feriado tradicional do calendário francês em que aconteceu a Queda da Bastilha, marco do início da Revolução Francesa. A influência do país na cena histórica e cultural de Manaus também foi relembrada por meio da dança, música e gastronomia.

Durante o evento, o prefeito Arthur Virgílio Neto destacou as diversas obras que serão realizadas no Centro Histórico, já anunciadas pelo Município, resgatando o passado de uma época áurea para a capital do Amazonas. Utilizando o lema da Revolução Francesa “Liberté, Egalité, Fraternité” (Liberdade, Igualdade, Fraternidade, em português), o prefeito comparou os ideais revolucionários do povo francês com o cotidiano do povo amazonense.

“Mais do que nunca estamos adotando esse lema como nosso. Prezamos, como poucos, a liberdade democrática neste país. A igualdade não tem que ser aquela ideia ultrapassada do comunismo, que diz que é uma casinha para cada um e, na verdade, não acaba contemplando ninguém. Deve dar chances iguais para todos para que  cada um alcance seu sucesso”, defendeu Arthur Neto.

A Festa Nacional Francesa foi promovida pela escola Aliança Francesa, com o apoio da Fundação Municipal de Cultura, Turismo e Eventos (Manauscult). A banda da Polícia Militar abriu a noite no domingo, 12, com o hino nacional francês e, em seguida, o hino nacional brasileiro. Canções francesas e regionais também fizeram parte do repertório, unindo as duas culturas. Exposições com bonecas vestidas com roupas de época ganharam destaque e atraíram o grande público.

“O povo amazonense sempre foi acolhedor da cultura francesa e ainda hoje nós encontramos o traço dessa afinidade. Quando andamos pelo Centro, vemos isso nos prédios históricos, como o Teatro Amazonas; o Le Bon Marché, que é tradicional na França; e o Cabaré Chinelo, que será restaurado pela prefeitura. É sempre bom podermos resgatar esses momentos”, afirmou Dominique Chevé – cônsul honorário da França em Manaus.

Cada vez mais, a Manauscult tem criado programações culturais como forma de tornar o Centro Histórico um espaço mais frequentado pela população amazonense. Mais uma vez os food trucks e os bike foods garantiram a degustação temática na praça de alimentação, ao lado do Paço da Liberdade. O kikão francês do É de Comer foi uma das sensações da gastronomia, assim como os doces típicos do La Maison du Macaron.

“Nós temos como meta ocupar o Centro Histórico de Manaus com muita cultura, com qualidade nas atrações e uma programação diversificada que atraia as famílias amazonenses”, afirmou o diretor-presidente da Manauscult, Bernardo Monteiro de Paula.


 Reportagem: Leonardo Fierro

 

Comentários
Mostrar botões
Esconder botões
X