Últimos dias da exposição “A Última Canção”, no Paço da Liberdade

Foto: Ingrid Anne/Manauscult

O público que ainda não compareceu ao Paço da Liberdade, no Centro, tem até o dia 30 de abril para conferir a exposição fotográfica “A Última Canção”, que retrata vida e morte da violinista Ária Ramos, assassinada há mais de cem anos em Manaus. A exposição, de autoria do fotógrafo e pesquisador Tácio Melo, tem o apoio da Fundação Municipal de Cultura, Turismo e Eventos (Manauscult) e está aberta de segunda a sexta, das 9h às 16h30, e aos sábados, das 9h às 12h.

Composta por 24 fotografias de Tácio, organizador e idealizador do projeto, e dos fotógrafos Rodrigo Thomzhinsky, Bárbara Umbra e Thais Tabosa, “A Última Canção” está em cartaz desde o dia 17 de fevereiro, data que marca a tragédia envolvendo a jovem. Em 17 de fevereiro de 1915, a violinista Ária Ramos morria vítima de uma bala perdida durante um baile, em plena terça-feira gorda de Carnaval, no Ideal Clube, localizado, à época, na Avenida Eduardo Ribeiro, na esquina com Henrique Martins, Centro.

O crime, que chocou a capital amazonense, com seus quase 100 mil habitantes, nunca foi elucidado e silenciou para sempre o violino da artista prodígio, no auge dos seus 18 anos. Mais de um século depois, o Museu Paço da Liberdade abriu suas portas para contar essa história em imagens.

“A repercussão foi muito boa, ouvi várias pessoas comentando, inclusive de outros estados que me procuraram por se sentirem atraídas com a história da cidade e com as imagens. Isso foi o mais legal de tudo, gratificante”, avaliou Tácio Melo.

SERVIÇO

O QUÊ: Exposição Fotográfica “A Última Canção”

QUANDO: até o dia 30 de abril, de segunda a sexta, das 9h às 16h30, e aos sábados das 9h às 12h

ONDE: Paço da Liberdade – Rua Bernardo Ramos, Centro

QUANTO: Gratuito


Texto: Mônica Figueiredo

Comentários

Deixe uma resposta

Mostrar botões
Esconder botões
X