Famílias fazem a festa para condutores com direito à torcida organizada no Mercado Adolpho Lisboa

Foto: Steffanie Schmidt Tocha no Mercado Adolpho Lisboa

Aos domingos o Mercado Municipal Adolfo Lisboa tem bastante movimento, tradicionalmente. O centenário ponto turístico da cidade é também muito procurado pelas famílias manauaras para compras, cafés regionais, artesanato e ervas. Mas, o motivo da movimentação na manhã deste domingo foi bem diferente. O sentimento olímpico tomou conta dos arredores, assim como a ansiedade pela passagem da Tocha Olímpica pela orla. E os condutores foram recebidos com torcida organizada.

A aposentada Maria Rosa Rocha, 60, foi a condutora de número 60 do revezamento da Tocha Olímpica em Manaus, no trecho entre o Mercado e a rua Marquês de Santa Cruz. Ansiosa, Maria disse que ia aproveitar cada momento com a Tocha. “Vou bem devagar pra ficar mais um tempinho com a Tocha. Estou achando um momento maravilhoso”, comemorou a senhora que trouxe o marido, filho, neto e as amigas de infância para ver a realização.

A estudante Vitória Cardoso, de apenas 14 anos, estava em êxtase durante a preparação para receber a tocha. Ela contou que ser escolhida para carregar o maior símbolo dos Jogos Olímpicos foi inesperado, porém uma grande conquista para ela. “Eu fui a única escolhida para representar a minha escola. De ontem pra hoje eu praticamente nem dormi. Os 200 metros são fáceis de correr, pois treinamos 5 km todos os dias na escola, mas com a Tocha é especial”, disse a jovem, que estava acompanhada da mãe e do namorado.

A paixão pelas Olímpiadas se tornou tão forte para João Paulo Santos Guerra, 35 anos, que ele decidiu tatuar na pele o sentimento. Ele vai ser voluntário nos jogos olímpicos no Rio de Janeiro e assistiu de perto a passagem da Tocha pelo Mercado Municipal. “Sou um apaixonado pelos jogos. Desde os sete anos de idade eu acompanho vários esportes e, a cada quatro anos tenho o prazer de parar minha vida para acompanhar os jogos. Fiz a tatuagem tem uma semana e resolvi vir assistir a passagem da tocha aqui, pois eu moro bem pertinho”, contou.

Marcelo Barbosa, 40, é da terceira geração de comerciantes na família trabalhando no Mercado, vendendo especiarias de produção própria. O domingo foi agitado e ele comemorou a renda extra do movimento. “O movimento está muito bom. Sinto muito orgulho do nosso trabalho aqui no mercado e por toda a mobilização que esse evento trouxe”, disse.

TORCIDA ORGANIZADA

No Mercado municipal Adolpho Lisboa, a passagem da tocha Olímpica Rio 2016 foi marcada pela presença de familiares e amigos dos condutores, que fizeram questão de prestar homenagem a eles neste momento histórico.

Para ver a condutora Raysa, a professora de Educação Física, Sandra Maria dos Santos Seabra, mãe dela, organizou camisetas e bandeiras estilizadas. “Minha filha deu continuidade à minha história no esporte. É um momento de muito orgulho para nossa familia”, afirmou. Entre tios, primas, irmãos e amigos, mais de 15 pessoas foram prestigiar o momento, na orla do rio Negro.

Fisioterapeuta e professora universitária, Raysa é praticante de jiu-jitsu, no bairro Santa Luzia. Ela treina na academia que faz parte do projeto social “Ivo Neto”, voltado a resgatar crianças, jovens e adultos da marginalidade, oferecendo, através do esporte, um incentivo ao crescimento. “Esse projeto proporciona aos moradores da minha comunidade uma perspectiva para um amanhã melhor”.

Lideradas pela cantora Lilia Andrade, amigas de infância e familiares formavam a torcida organizada da condutora Rosa Maria Rocha, funcionária dos Correios. “É um orgulho para nós tê-la como condutora. Ela é muito dedicada em tudo o que faz”, afirmou. As irmãs e o esposo, Vitor Jonas Moraes, fizeram questão de “vestir a camisa” personalizada com o símbolo dos arcos olímpicos em cima de uma rosa, em alusão ao nome dela.

 

X