Livro-reportagem reconstitui passos do cineasta Glauber Rocha

Foto: Divulgação Livro-reportagem Glauber Rocha

Um registro inédito da passagem do cineasta Glauber Rocha pela Amazônia está retratado no livro-reportagem produzido pelo jornalista amazonense Rosiel Mendonça.

O projeto contemplado pelo Edital Prêmio Manaus de Conexões Culturais 2015, da Fundação Municipal de Cultura, Turismo e Eventos (Manauscult) apresenta os passos do cineasta reconstituídos a partir do documentário “Amazonas, Amazonas”.

O projeto “Amazônya de Glauber Rocha” traz registros inéditos do período em que o cineasta esteve na Amazônia produzindo seu documentário, entre dezembro de 1965 e janeiro de 1966.

Segundo o autor, para fazer sua pesquisa, recorreu a diversas fontes como livros, jornais da época, acervos pessoais de Glauber (disponíveis na Cinemateca Brasileira em São Paulo e na Biblioteca Arthur Reis em Manaus), entrevistas com amigos de Glauber Rocha e com pessoas que conviveram com ele em Manaus, entre elas Luiz Maximino de Miranda Corrêa, José Gaspar e Fernando Duarte.

“A ideia é reunir o trabalho num livro-reportagem que dê conta do contexto histórico no qual o filme foi realizado, situando essa produção na trajetória pessoal e artística do cineasta”, explicou ressaltando que quanto à linguagem, procurou fazer uma aproximação com o jornalismo literário, com a escrita mais criativa, porém, atenta aos fatos.

O baiano Glauber Rocha foi cineasta, ator e escritor, um dos mais importantes do cinema novo, movimento iniciado na década de 60. “Deus e o Diabo na Terra do Sol” (1963), “Terra em Transe” (1967) e “O Dragão da Maldade contra o Santo Guerreiro” (1969), estão entre os três filmes que marcam a carreira do cineasta que morreu aos 42 anos de idade, no Rio de Janeiro.

Rosiel Mendonça é jornalista formado pela Universidade Federal do Amazonas (Ufam), com especialização em Gestão Cultural e, atua como repórter desde 2012. Já trabalhou com pesquisas ainda na faculdade e atualmente faz mestrado em Sociedade e Cultura na Amazônia, também pela Ufam, com um projeto derivado da pesquisa de “Amazônya de Glauber Rocha”.

“Considero ‘Amazônya de Glauber Rocha’ como a primeira parte dessa obra, ainda inconclusa. A publicação do material consolidado vai acontecer apenas quando eu concluir o mestrado na Ufam, provavelmente em 2018”, finalizou.

Texto: Karyme Dibo

Deixe uma resposta

X