Terceira edição do Passo a Paço reúne 64 mil pessoas no Centro

Foto: Semcom Passo a Paço reúne 64 mil pessoas no Centro de Manaus

Agregando uma diversidade de manifestações artísticas à gastronomia regional e contemporânea, a terceira edição do Passo a Paço, projeto de ocupação cultural da região do centro histórico da cidade, reuniu aproximadamente 64 mil pessoas em dois dias de evento, em comemoração ao aniversário de 347 anos de Manaus.

Vinte e quatro atrações locais e nacionais se apresentaram nas ruas do quadrilátero do Paço da Liberdade, antiga sede da Prefeitura de Manaus, atraindo o público para vários pontos focais de cultura. Este ano, três novas ruas foram agregadas ao projeto inicial: Taqueirinha, Vivaldo Lima e Sete de Setembro.

“Consolidamos um evento que tem um significado muito importante para a cidade que é a ressignificação do Centro Histórico de Manaus, onde temos nossa memória cultural, arquitetônica e biográfica”, afirmou o diretor-presidente da Fundação Municipal Cultura, Turismo e Eventos (Manauscult), Bernardo Monteiro de Paula.

Com lotação completa da rua Vivaldo Lima, o público protagonizou um dos momentos apoteóticos do Passo a Paço, durante a apresentação do canto pernambucano Johnny Hooker. “Foi uma experiência aberta e democrática fazer um show gratuito. Eu gostei muito porque nunca tinha vindo a Manaus e desde que lançamos o disco, percebemos um carinho muito grande do público”, afirmou o cantor que é considerado a atual revelação da música brasileira.

“O show foi de uma energia muito intensa: percebemos o amor verdadeiro do público pela nossa música, ultrapassando a performance e isso é a nossa razão de ser. Foi um dos melhores públicos da turnê até agora”, completou Hooker.

No Palco Música passaram ainda artistas como Márcia Novo, Grupo Corcovado e banda Jiquitaia. No Coreto, o cantor Cileno emocionou quem esteve na Praça Dom Pedro II. Torrinho, Quarteto Beiradão e DJ Luana Aleixo também foram muito aplaudidos no local.

Quem passou pela rua Governador Vitório foi surpreendido, em dois momentos, pela Cia Brasileira de Mysterios e Novidades com a intervenção cultural “Uirapuru”. Sobre pernas de pau, o espetáculo premiado pela Funarte conta a história do pássaro amazônico inspirado no poema sinfônico de Villa-Lobos.

Próximo dali, no Les Artistes Café Teatro, a atriz Fernanda Montenegro se apresentou em duas sessões, às 17h e às 20h, com a leitura dramatizada do texto “Nelson Rodrigues por ele mesmo”, de autoria dela, baseada na obra homônima da filha do dramaturgo carioca, Sônia Rodrigues. “O nosso país tem a cultura como uma espécie de festa inútil, mas ela é transformadora”, afirmou durante o bate-papo com a plateia.

Percorrendo o Centro Histórico, o projeto “Pedalando pela Manaus que se constrói”, idealizado por João Fernandes, do Casarão de Ideias, em parceria com o curso de Turismo da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), levou o público a um passeio diferente: durante dois quilômetros, o ciclista teve a oportunidade de ouvir, via radio transmissor, a descrição sobre pontos e prédio históricos da cidade enquanto pedala. “Não é um simples passeio, tem como valores questões como sustentabilidade, melhoria e integração da mobilidade urbana, além de resgatar a história de Manaus”, afirmou João Fernandes.

Na rua Bernardo Ramos, O Studi092, do Movimento Criativo, trouxe artesanato e criações artísticas, além de brechó e peças decorativas para o Passo a Paço. Bárbara Façanha, proprietária e diretora criativa do Studi092, afirma que o objetivo é movimentar o cenário cultural da cidade e fomentar a economia criativa. “Depois de 30 anos é a primeira vez que eu conheço essa parte do Centro da cidade. Foi uma ótima oportunidade de conhecer e de poder apreciar essa programação”, afirmou o industriário Adamilton Sena.

Gastronomia

Quem chegou cedo na praça Dom Pedro II pode presenciar a simpatia do chef francês Olivier Anquier. Desde às 17h, ele percorreu o circuito das barracas dos chefs, tirou fotos com o público, conheceu prédios históricos da Rua Bernardo Ramos e até ensinou sua receita à fã, Sandra Cauper, que aguardava ansiosamente para falar com ele.

“Quando se pensa em Brasil lá fora, se pensa em Amazônia e Manaus e símbolo, marco importante da construção do Brasil, então pela projeção que se tem é importante esse movimento de conscientização em torno da gastronomia, que retrata um momento histórico de uma cidade”, afirmou Anquier. “Estive a última vez aqui em 1986 e é um prazer enorme voltar, principalmente por conta da receptividade”, completou.

Nesta edição, o Passo a Paço abriu espaço para as faculdades com cursos de gastronomia apresentarem suas criações. Para a chef Debora Valente, do Centro Universitário de Ensino Superior do Amazonas (Ciesa), esse tipo de evento abre espaço que para que os projetos desenvolvidos dentro dos laboratórios possam tornar-se conhecidos pela sociedade.

“O objetivo era apresentar artigos científicos como o Cumaru que trouxemos em formato de palha italiana, que apresentamos em congresso internacional; e a kafta com uma masala amazônica, que é a mistura de produtos nossos como murupi, pimenta de cheiro, chicória, alfavaca. Os alunos descobriram que usando essas especiarias, proporcionalmente, desidratadas, proporcionam um sabor maravilhoso”, explicou Valente. “É muito gostoso um evento como este, em um clima romântico, que favorece o resgate da nossa história e vendo tantos chefs que foram meus alunos”, completou.

“Vim em todas as edições e desta vez, além das performances culturais, gostei muito dos preços que estavam acessíveis. Se tivesse toda semana, eu viria”, afirmou a administradora Ina Lima.

“Um grande sucesso onde pude reencontrar minha grande amiga, grande atriz, dama do teatro, que é Fernanda Montenegro, e aqui nós tivemos chefes de cozinha do país inteiro, e nossos chefes locais vendendo de pouquinho em pouquinho, cobrando pouco, dando um enorme prazer gastronômico. Alguns deles me relataram que faturaram nesses dois dias o que demorariam um mês em seus restaurantes. Tudo isso é uma coisa fantástica, é um evento que chama a atenção para o centro e principalmente para nossa memória histórica.”, relatou o prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto, presente no encerramento do evento.

Aniversário da cidade

Desde a última sexta-feira, 21, os festejos de aniversário da cidade reuniram 214 mil pessoas em quatro dias de programação. Na avenida Itaúba, que abriu as comemorações com o Boi Manaus na Zona Leste, 50 mil pessoas prestigiaram o evento. No sábado, 22, foi a vez da Ponta Negra receber um público de 100 mil na segunda noite de bumbá.

Deixe uma resposta

X