Obras de Auxiliadora Zuazo são reunidas em mostra

Foto: Divulgação/SEC "Ponte", de Auxiliadora Zuazo

Um dos nomes femininos mais proeminentes da arte moderna feita no Amazonas, Auxiliadora Zuazo é tema da nova exposição que inaugura nesta terça-feira (23), às 10h, na sala Coletiva das Artes, no Sumaúma Park Shopping, na Av. Noel Nutels, 1.762, Cidade Nova, zona Norte de Manaus. Reunindo obras da artista plástica amazonense pertencentes ao acervo da Pinacoteca do Estado, a mostra “As Amazonas de Zuazo” é uma realização do Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Cultura.

“As Amazonas de Zuazo” é aberta ao público em geral e fica em cartaz até 23 de julho, com visitação gratuita de segunda a sábado, das 10h às 22h, e aos domingos e feriados, das 14h às 20h, de acordo com os horários das lojas do Sumaúma Park.

Ao todo, a mostra na Coletiva das Artes terá 16 obras de Zuazo, incluindo desenhos a nanquim e a caneta sobre papel, além de xilogravuras em P&B e verde sobre papel, e duas matrizes em madeira (duratex), usadas no processo de impressão de xilogravuras. A exposição permitirá ao grande público ter contato com a produção artística singular da artista amazonense, de acordo com o secretário de Estado de Cultura, Robério Braga.

“Auxiliadora Zuazo se dedicou principalmente à xilogravura, e por meio dela criou registros únicos da paisagem e das personagens amazônicas”, declarou o secretário. “Com essa exposição na sala Coletiva das Artes, os moradores da Cidade Nova e de bairros próximos poderão conhecer melhor não só essa antiga técnica de impressão como também obras nesse formato produzidas com grande maestria por Zuazo”.

Paisagens e personagens

“Mulher com Borboletas”, de Auxiliadora Zuazo

Com curadoria de Jair Jacqmont, “As Amazonas de Zuazo” apresenta paisagens típicas da Amazônia, mulheres e crianças, alguns dos principais motivos que pontuam a obra da artista plástica de Lábrea, na região do Purus, interior do Amazonas. “Os temas de Zuazo eram o interior, as crianças, o caboclo, a cabocla amazônida”, resume o curador, também artista plástico.

A temática feminina, ressalta Jacqmont, foi uma das que prevaleceu no trabalho da artista amazonense, e aparece em várias das obras presentes na mostra. Aí se inclui, entre outras, a xilogravura “As Amazonas”, que faz parte de uma série de obras de mesmo nome e que inspirou o título da exposição na sala Coletiva das Artes. “Zuazo é uma mulher imersa na questão feminina, tendo sempre batalhado contra a opressão feminina”, aponta ele.

Jacqmont lembra ainda que Zuazo fez parte do Clube da Madrugada, grupo que ajudou a difundir as propostas da Arte Moderna no Amazonas e que colocou a identidade e a temática da Amazônia na pauta dos artistas locais, a partir dos anos 1950. A vivência nesse meio, segundo ele, fez dela uma “mulher artista ímpar” no circuito artístico amazonense. “Até então não havia aqui esse tipo de artista engajado com um tema específico – no caso dela, a questão feminina”, explica o curador.

A jornalista e escritora Leyla Leong, que assina o texto de curadoria da mostra na Coletiva das Artes, assinala também as crianças como uma das preocupações que Zuazo explorou em sua produção artística.

“Ao longo de sua carreira, figuras infantis aparecem em séries como ‘Curumins e cunhantãs’, onde a artista provoca o mundo com imagens de crianças em situação de risco, oferecendo a sua contribuição artística e política para a construção de um mundo mais justo”, escreve ela.

Trajetória

“Mulher lavadeira”, de Auxiliadora Zuazo

Nascida no Seringal Santa Vitória, no município de Lábrea (a 852 quilômetros de Manaus), em 22 de setembro de 1943, Maria Auxiliadora Zuazo veio ainda criança para estudar em Manaus. Em 1966, um ano após concluir o curso Clássico no Ginásio Amazonense Dom Pedro II, mudou-se para o Rio de Janeiro para estudar na Escola Nacional de Belas Artes. Lá, teve como mestres Ahmés de Paula Machado (gravura), Carlos Magno (pintura mural), Abelardo Zaluar e Adir Botelho (xilogravura).

Em 1968, realizou em Manaus sua primeira exposição individual, na Pinacoteca do Estado, tendo sido premiada com Menção Honrosa. Em 1989, expôs na Mostra Coletiva de Artistas Contemporâneos do Amazonas, na Fundação Armando Álvares Penteado, em São Paulo. As obras da artista foram exibidas ainda no Museu de Arte Brasileira, em São Paulo, em 1989, e no Solar Grandjean de Montigny da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, na exposição “Verde contemporâneo”.

Além da xilogravura e do desenho, Zuazo explorou técnicas como litogravura, gravura em metal, aquarela e estudos para tapeçaria. A artista reside atualmente no Rio de Janeiro, para onde se mudou há mais de uma década.

Programação

"As Amazonas", de Auxiliadora Zuazo

“As Amazonas”, de Auxiliadora Zuazo

Inaugurada no último dia 21 de março, com a exposição “Imaginário Amazônico”, reunindo obras do amazonense Da Silva Da Selva, a sala Coletiva das Artes terá uma programação diversificada de mostras ao longo de 2017. Após “As Amazonas de Zuazo”, entra em cartaz no espaço “Memórias Arquitetônicas”, com obras de Moacir Andrade, de 25 de julho a 24 de setembro.

Depois é a vez de “Movimento Sem Terra”, com fotografias de Sebastião Salgado, de 26 de setembro a 26 de novembro. A agenda se encerra com “Uma época da Manaus Antiga”, reunindo trabalhos do fotógrafo George Huebner, ficando em cartaz de 28 de novembro a 30 de dezembro.

Serviço

O quê: Exposição “As Amazonas de Zuazo”, com obras de Auxiliadora Zuazo
Quando:
Abertura no dia 23 de maio, terça-feira, às 10h; visitação até 23 de julho, de segunda a sábado, das 10h às 22h, e domingos e feriados, das 14h às 20h
Onde: Sala Coletiva das Artes, Sumaúma Park Shopping, Piso Japiim, 1º andar – Av. Noel Nutels, n° 1.762, Cidade Nova
Quanto: Entrada Gratuita
Classificação indicativa: Livre


Com informações de assessoria

Comentários
Mostrar botões
Esconder botões
X