Grupo de Acesso C abre a primeira noite de desfile

Foto: Ingrid Anne/Manauscult

Entre homenagens a personalidades amazonenses, municípios do interior do Estado e momentos importantes da história local, as Escolas de Samba dos Grupos de Acesso deram o pontapé inicial na grande festa do Desfile Oficial do Carnaval de Manaus na noite desta sexta, 9/2, no Sambódromo.

Até às 23h, seis escolas do Grupo de Acesso C já tinham passado pela Avenida do Samba. O desfile segue até cerca de 5h, com a apresentação de mais quatro escolas do Grupo B e seis escolas do Grupo A.

Para o diretor-presidente da Fundação Municipal de Cultura, Turismo e Eventos (Manauscult), o desfile das escolas de samba é um dos principais momentos do Carnaval de Manaus. “É uma felicidade muito grande. A Prefeitura de Manaus participa disso e investe no Carnaval de Manaus, pois o prefeito Arthur Virgílio Neto acredita na festa como produto turístico da cidade, e faz desse apoio sem distinção. Afinal, quando a gente apoia e fomenta a cultura, as escolas mobilizam suas comunidades e trazem para a avenida o resultado de um trabalho coletivo, numa festa identitária para todo o público”, ressaltou Bernardo.

O público aprovou a festa. O empresário Sérgio Doroteu, por exemplo, levou a filha de nove anos para conhecer o evento. “Pela primeira vez, eu trouxe a minha filha para assistir o desfile. Como hoje é um dia mais tranquilo, eu trouxe ela e minha mãe para se divertir um pouco, e ela veio até fantasiada de unicórnio”, contou Sérgio, que desfila neste sábado pela Sem Compromisso.

Uma das integrantes da Comissão de Frente da Mocidade do Coroado, a assistente social Sirleise Assis aproveitou o desfile não só pra participar, mas também pra assistir as outras agremiações. “No Carnaval, eu gosto do calor, de assistir, e de ver as famílias unidas. É tudo maravilhoso”, contou.

Acompanhada do marido, a professora Edilza Cardoso já tem o costume de assistir as escolas. “Eu acompanho os desfiles há mais de 20 anos. Antigamente eu desfilava, mas agora eu só venho assistir as minhas irmãs. Gosto de vir no primeiro dia, porque é mais calmo”, afirmou.

Enredos

Contando a vida do historiador e pesquisador Daniel Sales,”a enciclopédia”, a Escola de Samba Ipixuna abriu a noite de desfile, com um enredo que misturou música, poesia e comunicação.

Em seguida, a Império do Mauá levou para a Avenida do Samba a história da Zona Franca de Manaus, desde a criação do polo industrial até a crise, contando todas as fases dessa história com a presença de aproximadamente 700 brincantes animados.

Já a Leões do Barão Açu contou a história da família musical Cerdeira, desde a primeira banda até a criação do grupo “Os Embaixadores”, que hoje já está em sua quarta geração.

Homenageando o município de Presidente Figueiredo, a escola Gaviões do Parque foi a quarta escola do grupo a desfilar. Lembrou as belezas naturais da cidade e a importância da preservação, marcados principalmente pelo refrão “Chuê chuê, chuá chueira, Gaviões do Parque na terra das cachoeiras; chuê chuê, chua chuá, é o futuro sem deixar de preservar”.

A Legião de Bambas, penúltima agremiação do Grupo C a se apresentar, contou a história de Allan Bandeira, atleta recifense que fez história no futebol amazonense. A comissão de frente retratou a característica forte do “cabra do Nordeste”, como muita gente que vem com um sonho na mala e constrói sua história no Amazonas.

Encerrando o Grupo de Acesso C, a Tradição Leste levou 600 brincantes para juntos homenagearem o futebolista Cláudio Coelho, um dos ícones do esporte amazonense.

Trânsito e segurança

Por meio da Secretaria Municipal da Mulher, Assistência Social e Direitos Humanos (Semmasdh), do Instituto Municipal de Engenharia e Fiscalização do Trânsito (Manaustrans), da Subsecretaria Municipal de Abastecimento, Feiras e Mercados (Subsempab), da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) e Casa Militar, a Prefeitura de Manaus garante qualidade e prestação de serviço aos foliões.

De acordo com o diretor de engenharia de Trânsito do Manaustrans, Manoel Reis, 50 agentes compõem a equipe de orientação de trânsito nos arredores do Sambódromo. “O nosso trabalho é prioritariamente orientar, e a punição vem em último caso. Nós queremos que o máximo de pessoas se divirta e, por isso, orientamos que, durante os dias de Carnaval, as pessoas pratiquem a carona solidária ou optem por modais coletivos”, ressaltou.

Com o efetivo de 20 agentes, a Visa Manaus fiscalizou todas as barracas de comida. Para o comerciante, Jonas Brelaz, a fiscalização sanitária garante segurança para quem vende e quem consome. “Eu preparei minha banca com muito zelo e esse tipo de ação nos ajuda a manter nosso serviço com alta qualidade. O folião pode vir tranquilo para se divertir”, disse.


Equipe Viva Manaus

X