Dia Internacional do Livro leva cultura, aprendizado e diversão ao Centro

Foto: Ingrid Anne/Manauscult

Julietas, Romeus, Petrúquios e Catarinas tomaram as ruas do Centro Histórico de Manaus na tarde desta segunda feira, 23/4, anunciando a abertura da programação do Dia Internacional do Livro. Um cortejo de atores percorreu a Praça da Matriz e ocupou a escadaria do Paço da Liberdade declamando e encenando trechos de peças do autor homenageado deste ano: William Shakespeare.

Nesta terça-feira, 24, a programação continua na Universidade Federal do Amazonas (Ufam); na quinta-feira, 26, segue no Instituto Cultural Brasil Estados Unidos (Icbeu) e na sexta-feira, 27, novamente no Café Teatro.

O evento que este ano traz o tema “Shakespeare, sempre e por toda a parte” é uma realização da Prefeitura de Manaus, por meio da Fundação Municipal de Cultura, Turismo e Eventos (Manauscult), em parceria com as Universidades Federal e Estadual do Amazonas (Ufam e UEA), além do Instituto Cultural Brasil Estados Unidos (Icbeu).

Alunos do curso de Teatro da UEA lideraram o cortejo trajando vestimentas próprias das obras teatrais de Shakespeare. No Paço da Liberdade, o grupo “Ulha Já”, composto pelos atores Daniely Peinado, Dimas Mendonça e Robson Ney, encenaram uma adaptação satírica, “As mulheres de Shakespeare”, feita a partir das obras de destaque de William Shakespeare como “Romeu e Julieta” e “Homero”.  Com muito humor, o grupo alegrou as pessoas que participaram do evento no melhor estilo “teatro de rua”.

“Essa adaptação iniciou em 2004, quando a gente ainda era aluno de teatro. A gente apresentou na unidade Liceu de Artes e Ofícios Claudio Santoro, onde ganhamos vários prêmios. De lá para cá, fizemos uma temporada grande em vários lugares da cidade e agora tivemos essa oportunidade de expor nosso trabalho e homenagear esse autor. Shakespeare foi e é muito importante para o nosso aprendizado, seja pela literatura, quanto para muitas obras artísticas que até hoje recebem influência dele”, disse Daniely Peinado.

“A universalidade da obra está presente no dia a dia das pessoas, são temas e questões da alma humana, embora possamos não perceber isso. Tratar sobre a obra de Shakespeare é também um incentivo à leitura e à divulgação da literatura internacional”, afirmou o romancista e dramaturgo, doutor em Estudos Linguísticos e Literários em Língua Inglesa, Lajosy Silva durante a mesa-redonda sobre o autor inglês, realizada no Café Teatro.

Também integrante da mesa, a professora e pesquisadora Mary Ellen Riveira Cacheado Girondi apresentou o trabalho desenvolvido com alunos da escola Municipal Francisca Campos Corrêa para ensino da língua inglesa. “Sempre flertei com o teatro e uso como ferramenta de trabalho. Neste caso, o interesse foi imediato: muitos dos alunos me pediam as peças completas para ler”, afirmou. A professora lembrou ainda que foram feitas adaptações no texto para o contexto amazônico.

No encerramento, o grupo de Teatro da Ufam (Tufam) encenou um trecho de “A Megera Domada”, arrancando aplausos do público.

Deixe uma resposta

X