Exposição ‘Latitude Amazônica’ une cultura e ciência

Foto: Michael Dantas/SEC

Explorando elementos como céu, nuvens e horizontes amazônicos, o artista plástico Jair Jacqmont lançará, neste sábado, 2/6, às 10h, a exposição “Latitude Amazônica”, no Paiol da Cultura, localizado no Bosque da Ciência do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), na Av. André Araújo, 2.936, Petrópolis. A exposição é apresentada pelo projeto Lab Verde, com apoio do Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Estado de Cultura (SEC), e Inpa.

Sob curadoria de Lilian Fraiji, “Latitude Amazônica” une cultura e ciência através de uma pintura de 22,8 metros feita por Jair Jacqmont e fotografias da Torre Atto, um observatório de 325 metros, onde se estuda o movimento das nuvens e clima amazônico, localizada no município de São Sebastião do Uatumã.

Em comemoração ao Dia do Meio Ambiente (5 de junho), o artista cria uma pintura panorâmica imersiva em homenagem aos “rios voadores”, termo usado em alusão às nuvens. De acordo com Jacqmont, o convite para participar da exposição surgiu durante a formulação da nova Pinacoteca do Amazonas, inaugurada 27 de março deste ano.

“Conheci o LabVerde durante a renovação da Pinacoteca  e a Lilian me convidou para participar do projeto. É claro que aceitei, com muita felicidade”, comenta. “Estou representando, através da exposição, a paisagem da Amazônia. Entre os elementos existe uma divisão de água, a floresta e as nuvens. A arte plástica é uma interpretação da natureza e seu conceito científico”.

Este trabalho é uma novidade na carreira de Jair Jacqmont. Ao longo dos anos, o artista desenvolveu um trabalho conciso nas artes visuais, pesquisando novas técnicas de pintura e desenho, e consolidando uma linguagem particular baseada na plasticidade da Floresta Amazônica. Sua produção se destaca pela vanguarda nas artes brasileiras com a construção de paisagens pictóricas formadas pelo domínio da perspectiva e da composição cromática.

Lab Verde

Criado em 2013, o programa é voltado a artistas, pesquisadores e público em geral, a fim de refletirem mais sobre a natureza, meio ambiente e paisagem amazônica. Lilian Fraiji explica que o projeto é um democratizador de conhecimento.

“Nós recebemos artistas do mundo inteiro para conhecer a floresta e, além disso, essas exposições têm uma linguagem simples e são uma forma de democratizar o conhecimento, inúmeros artistas já participaram. É um projeto que tem muito conteúdo, que são de alguma forma um diálogo entre cultura e ciência”.

Jair Jacqmont

Com formação livre em Belas Artes pelo Parque Lage, Funarte e Fundação Getúlio Vargas no Rio de Janeiro, e especialização em Restauração de Obras de Arte pela Universidade Federal de Minas Gerais, Jair Jacqmont foi consagrado com inúmeros prêmios e menções em Salões de Artes Visuais de São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, Belo Horizonte, Brasília, Pará e Amazonas.

Sua obra foi apresentada na Bienal de São Paulo e Bienal de Valparaíso no Chile. Participou de inúmeras exposições coletivas e individuais, com destaque para “Como vai você geração 80?”, “Panorama”, do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro e “10 Artistas Brasileiros”, do Centro de Cultura Latina em São Francisco, na Califórnia.

Radicado no Amazonas, foi um dos precursores do Clube da Madrugada na década de 60 e se dedicou ao ensino e pesquisa das artes em distintas instituições ao longo de cinquenta anos.

A exposição conta com entrada gratuita e ficará aberta ao público até o dia 26 de agosto, de terça a sexta, das 9h às 12h e 14h às 16h30; sábados, domingos e feriados de 9h até 16h30.

Serviço

O quê: Inauguração da exposição ‘Latitude Amazônica’
Quando: 2/6 (sábado), às 10h
Onde: Paiol da Cultura – Bosque da Ciência do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), Av. André Araújo, 2936, Petrópolis
Quanto: Gratuito


Com informações de assessoria

Deixe uma resposta

X