No município se encontra a Estação Ecológica de Anavilhanas, um dos maiores arquipélagos fluviais do mundo, com cerca de 400 ilhas, centenas de lagos, rios e igarapés – todos ricos em espécies de vegetais e animais. O local é o paraíso dos biólogos e ecologistas, estando hoje incorporado ao Parque Nacional de Anavilhana.

 

Atrativos:

Novo Airão se destaca pela alta concentração de botos-vermelho, botos-tucuxi (cinzentos) e peixes-boi. Para vê-los, basta ir ao Parque Nacional do Jaú, o maior parque do Brasil e o segundo da América do Sul.

A atividade mais famosa da cidade é a interação com os botos, que regularmente visitam o flutuante da Dona Marilda. Há alguns anos, essa senhora e as suas filhas começaram a alimentar os botos quando esses se aproximavam das margens do rio. Os animais gostaram tanto do agrado que passaram a voltar constantemente. O fato logo se espalhou e, hoje em dia, vários turistas vão regularmente a Novo Airão para alimentar e ver de perto esse animal tão emblemático da fauna amazônica.  A entrada no flutuante custa R$10,00.

Mas Novo Airão possui outros atrativos além dos botos. Sua localização estratégica a coloca como ponto de partida para dois dos mais importantes parques nacionais da Amazônia: o Parque Nacional de Anavilhanas e o Parque Nacional do Jaú.

Anavilhanas é considerado o segundo maior arquipélago fluvial do mundo, com cerca de 400 ilhas (o primeiro lugar da lista também se encontra no rio Negro, em Barcelos). Para visitá-lo, basta alugar uma voadeira (pequeno barco movido a motor) e iniciar um passeio de pouco mais de uma hora entre os labirínticos corredores verdes do arquipélago. Durante a vazante do rio Negro, belas praias surgem no entorno das ilhas, sendo possível parar para tomar um refrescante banho em algumas delas. Já durante a cheia, o destaque são as impressionantes imagens da floresta inundada. O nível das águas atinge a copa das árvores e a impressão é que elas simplesmente brotam do meio do rio.

Outro passeio partindo de Novo Airão é uma visita ao Parque Nacional do Jaú. Localizado logo após as Anavilhanas, este é o segundo maior parque nacional do Brasil, com uma área superior ao estado de Sergipe e declarado pela UNESCO como Patrimônio Natural da Humanidade.

É possível chegar até o parque apenas pelo rio Negro através de voadeira, num percurso que dura cerca de 3 horas. A melhor época para visitar o Jaú é de setembro a janeiro, durante a vazante dos rios. Nessa época,  logo na entrada do Parque, o visitante já se depara com a extensa faixa de areia da Praia da Velha, ótima para um banho depois da longa viagem. Em seguida, a dica é desbravar as corredeiras do Rio Carabinani, que revela um belíssimo leito rochoso que contrasta com a densa floresta que domina as suas margens. No meio das rochas, pequenas quedas d’água e piscinas se formam, convidando a um mergulho. O parque conta também com algumas  pequenas cachoeiras, como a do Igarapé Preto, que apesar do nome  deságua em uma hipnótica piscina natural de águas vermelhas.

Podemos citar ainda como atrações a trilha que leva até uma grande Sumaúma, árvore amazônica que pode atingir até 40 m de altura e possuem gigantescas raízes tabulares, além dos incrivelmente detalhados petroglifos, gravuras rupestres  presentes em diversas rochas ao redor do parque que comprovam a milenar ocupação da região. No final do dia, o espetáculo fica por conta da revoada dos pássaros e das cores do pôr-do-sol refletidas nas águas do rio.

Por fim, antes de deixar o município, vale a pena visitar a cidade fantasma de Velho Airão. No início do século passado, essa pequena cidade servia de entreposto comercial para a borracha extraída das regiões do Médio e Alto Rio Negro. Porém, segundo conta uma lenda local, ela foi subitamente tomada por uma horda de formigas de fogo. Seus moradores então foram forçados a abandonar a cidade e acabaram fundando outro povoado, dando origem a Novo Airão. Hoje em dia, é possível visitar as ruínas de alguns casarões que, abandonados, são aos poucos retomados pela floresta. Velho Airão localiza-se pouco antes da entrada do Parque Nacional do Jaú e também só é acessível pelo rio.

 

Acesso

A cidade está localizada a pouco mais de 180 km de Manaus. De carro ou de ônibus, atravesse a Ponte Rio Negro. Do outro lado do Rio Negro, siga pela rodovia AM-070 (estrada Manuel Urbano) e no Km 80, vire à direita e siga pela rodovia AM-352 que leva até Novo Airão.