Ambrozhya e o Phantasma da Arte - Foto: Tácio Melo

Ambição, morte, vaidade e poder nos anos 1920, na fictícia cidade de Lazone, são os motes da tragicomédia “Ambrozhya e o Phantasma da Arte”, baseada na obra de Sérgio Cardoso, que retoma a temporada teatral neste domingo, 2/6, no Teatro Gebes Medeiros, às 19h, com ingressos a R$ 20 e R$ 10 (meia). A montagem é da Companhia de Teatro Apareceu a Margarida, com direção cênica de Douglas Rodrigues. O espetáculo segue, ainda, com apresentações nos dias 09, 16 e 23 de junho.

Segundo Cardoso, “Ambrozhya e o Phantasma da Arte” é uma tragicomédia e uma crítica social e política de época sobre os fazeres culturais. Escrita em 1981, a obra conta a história de uma família em 1918, em uma cidade abandonada após uma crise, que tenta sobreviver financeiramente por meio da promoção de espetáculos artísticos.

A trama se desenrola após o quadro do pintor lazonense Leone Castomante ser vendido por 100 mil libras em uma casa de leilões, na cidade de Londres. Sabendo dessa informação, a família promove um evento para celebrar os 20 anos do desaparecimento inexplicável do pintor, que é o fantasma da arte que paira sobre Lazone. “Ambrozhya” consta na coletânea de Cardoso, “Livro do Teatro Urbano das Mulheres de Lazone”.

“A obra sempre terá um conteúdo atual, pois fala sobre os fazeres culturais. Em 1980, quando o País ainda estava em um processo de abertura política, a situação era ainda pior, pois não havia fomento aos artistas, que viviam à míngua”, comenta o autor. “A história também envolve muito suspense e terror sobrenatural. Estou muito honrado e orgulhoso pela montagem”, destaca Sérgio Cardoso.

A peça conta no elenco com atores já experientes do cenário artístico amazonense, como Michel Guerrero (Ambrozhya), Geraldo Langbeck (Gervásio), Paulo Altallegre (Carlessônio Wolfgang), Thais Vasconcelos (Leona), Luso Neto (Sir. Fergunson), Karol Medeiros (Laura Amphíbia) e Israel Castro (Suplício).

Ator e diretor da Companhia Apareceu a Margarida, Michel Guerrero ressalta que, em mais uma parceria com o autor, é gratificante apresentar uma dramaturgia que traz críticas tão incisivas ao cenário artístico. “É uma dramaturgia muito forte, dentre tantas outras que o Sérgio Cardoso imprime em sua biografia”, conta Guerrero. “Quando ele trata de temas como famílias em uma época pós-crise, análoga à crise da borracha de Manaus, a obra mostra como uma cidade sofre e as consequências disso em várias nuances, como a artística. Lazone é desértica e sombria e a sociedade ‘Líteromusical’ que Ambrozhya administra, que outrora era conceituada e assistida, passa a não mais ter os recursos que tinha e fica desprestigiada. É uma obra que contém diversos temas atuais”, declara.

O espetáculo tem assinatura musical de Taiara Guedes, administração de figurinos de Dione Maciel e conta com o apoio cultural do Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Estado da Cultura e da Federação de Teatro do Amazonas (Fetam). No dia 9 de junho, a peça será apresentada gratuitamente ao público, por conta da adesão à 13ª Mostra de Teatro do Amazonas, promovido pela Fetam.

A trama

A história da peça se desenrola na casa de Ambrozhya Fagundes de Leão, sede da Sociedade Líteromusical Leone Castomante, onde todos estão falidos. A matriarca fica transtornada, pois 20 quadros do artista, que pintava araras, papagaios e passarinhos, estão guardados no porão de casa. O espírito de Leone Castomante paira sobre a cidade em silêncio, pois é o Fantasma da Arte. Carlessônio, filho de Ambrozhya, descobre a existência da única descendente de Leone, a senhorita Leona, que vive no Rio de Janeiro.

Imediatamente, a família ambiciosa arranja uma forma de atraí-la até Lazone e forja as comemorações do vintenário do finado, e, para tal, manda buscá-la no intento de matá-la, pretendendo, assim, voltar à evidência social e política, mobilizando o sistema em torno das falsas comemorações de morte do artista.

Terceira montagem

Esta é a terceira montagem com dramaturgias de Sérgio Cardoso feita pela Companhia de Teatro Apareceu a Margarida. A primeira foi ‘Gabriel Drago, o vampiro do Teatro Lazone’, de 2001, com patrocínio da extinta Fundação Villa-Lobos. Já a segunda, foi o sucesso ‘A herança maldita de Mercedita de La Cruz’, de 2006, que ficou dez anos em cartaz, com um público estimado em mais de 60 mil espectadores e participação em festivais nacionais de teatro no Acre, Amapá e Rio de Janeiro. A companhia comemora 21 anos de atividades ininterruptas nos palcos.


Com informações de assessoria