Joaquim Marinho deixa legado incalculável para a cultura do AM

Foto: Reinaldo Okita/D24AM

Referência na história contemporânea do Amazonas, sinônimo de ousadia e irreverência cultural, o artista e colecionador José Joaquim Marques Marinho, 76, morreu na manhã deste domingo, 2/6, em Manaus (AM), por volta de 11h. Nascido na cidade de Porto, em Portugal, em 1º de maio de 1943, Joaquim Marinho viveu por mais de 60 anos na capital amazonense, onde é reconhecido como expoente de comunicação, cultura e arte na cidade.

Radialista, escritor, dono de um grande acervo cultural e tendo mantido durante décadas cinemas no Centro da cidade, Joaquim Marinho deixa grande legado cultural para o Estado do Amazonas. Marinho faleceu em sua residência, após uma parada cardiorrespiratória. Há aproximadamente seis anos, vinha lutando contra o Alzheimer.

O prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto, e a primeira-dama, Elisabeth Valeiko Ribeiro, lamentaram profundamente a morte do comunicador e ícone da cultura amazonense.  A Prefeitura de Manaus decretou três dias de luto oficial.  “Joaquim Marinho se mostrou um grande homem e democrata em momentos importantes do País. Uma pessoa sempre vanguardista, que contribuiu para manter a cultura viva do Brasil e do nosso Estado”, lembrou o prefeito Arthur Virgílio Neto.

O diretor-presidente da Fundação Municipal de Cultura,Turismo e Eventos (Manauscult), Bernardo Monteiro de Paula, lembrou que o artista foi homenageado em 2013, pela Prefeitura de Manaus, durante o “Manaú Rock Festival”, projeto apoiado pela Manauscult na ocasião. Na oportunidade, Joaquim Marinho foi homenageado junto com o jornalista e escritor Aldísio Filgueiras por terem promovido o primeiro festival de rock de Manaus, o “Festival do Lixo”, na praia da Ponta Negra, zona Oeste da cidade, onde o “Manaú Rock Festival” também foi realizado.

“O legado deixado por ele é de uma preciosidade inestimável para a Cultura amazonense e para o País. Mesmo em tempos difíceis, na época da Ditadura Militar, não abandonou sua essência, mantendo, ao longo dos anos, essa característica única de ousadia e de preciosismo histórico”, afirmou o diretor-presidente da Manauscult. Em 1976, chegou a ser demitido ao publicar o romance “Galvez, o imperador do Acre”, do escritor e dramaturgo amazonense, Márcio Souza, atual presidente do Conselho Municipal de Cultura.

“Joaquim Marinho era superintendente da então Fundação Cultural do Amazonas, na gestão do governador Henoch Reis. Marinho teve a ideia de editar livros de baixo custo, em papel  jornal, para ampliar a circulação das obras de autores amazonenses entre os leitores da cidade. (…) E no dia 5 de setembro de 1976, à sombra do mulateiro da Praça da Polícia, sede do Clube da Madrugada, foram lançados os livros de Ediney Azancoth, Aldísio Filgueiras, Jorge Tufic e o meu romance, ‘Galvez, Imperador do Acre’. Eram mil exemplares, que se esgotaram em menos de duas semanas. O sucesso poderia nos ter dado muitas alegrias, mas o Conselho Estadual de Cultura considerou o livro ofensivo às tradições amazonenses e Joaquim Marinho foi sumariamente demitido do cargo”, afirmou Márcio Souza, em artigo publicado no dia 18 de maio de 2014, no Jornal A Crítica.

O vice-presidente da Manauscult, José Cardoso, destacou a ousadia e irreverência de Joaquim Marinho. “Foi um homem à frente do seu tempo; quebrando tabus, investindo e insistindo em cultura. Muitos projetos levaram a sua assinatura, dos cinemas de rua a programa de rádio. Joaquim era um homem extremamente refinado, elegante que recebia os amigos com generosidade que era uma marca de sua personalidade”, afirmou. Grandes personalidades, como o escritor e poeta chileno Pablo Neruda, Vinícius de Moraes, Ziraldo, Alcione e Fafá de Belém, entre outros, foram alguns dos que Marinho recebeu em sua residência.

A casa, que funciona como Centro Cultural desde 2017, abriga um acervo expressivo com mais de 12 mil vinis, 25 mil livros, 5  mil CDs e milhares de gibis, além de objetos raros como moedas antigas, selos da coleção de filatelia, filmes históricos e objetos e símbolos pornográficos do País e de civilizações antigas. A Prefeitura de Manaus adquiriu, nos últimos anos, três telas do acervo do artista para compor a Pinacoteca Municipal: duas do Haneman Bacelar e outro do Manuel Borges.

Radialista e empresário, Joaquim Mara também ficou conhecido como “rei do cinema” em Manaus. Era proprietário dos cinemas Chaplin, Oscarito, Grande Otelo, Carmen Miranda, Renato Aragão e mais duas salas de exibição localizadas no Shopping Nova. Em alguns casos, estreias de filmes chegavam a causar o bloqueio de ruas na cidade, como foi o caso da avenida Joaquim Nabuco.  O artista também foi integrante do cineclube Grupo de Estudos Cinematográficos (GEC), criado em Manaus na década de 60.

O velório de Joaquim Marinho será realizado no Salão Nobre do Palácio Rio Negro, na avenida Sete de Setembro, Centro, a partir das 20h de domingo, 2/06. O sepultamento será amanhã nesta segunda-feira, 3/06, a partir das 16h, no cemitério São João Batista.


Steffanie Schmidt
Equipe Viva Manaus

X