Público no Festival Passo a Paço 2019 - Foto: Arthur Castro/Manauscult

Presente pela primeira vez na cobertura do Festival Passo a Paço, nosso estagiário de Jornalismo Tiago Souza montou seu diário de bordo com impressões pessoais sobre o evento. Confira aqui essa série de crônicas sobre o Passo a Paço 2019 😉


Talvez você faça alguma ideia, mas ainda assim preciso dizer que a nossa operação começa muito antes, mas muito, muito mesmo. Precisamos contatar artistas, definir estrutura operacional, segurança e, é claro, as sugestões de vocês. Resgatar tudo o que foi citado no ano anterior, porque, claro, depois do Passo a Paço 2018 aconteceram 1 Boi Manaus, 1 Réveillon, 1 Carnaval, 1 Festival Folclórico, além das atividades como o Edital de Conexões Culturais, festivais folclóricos nos bairros, enfim, todo esse universo que movimenta a cena cultural da cidade.

Neste ano, o Passo a Paço chegou a sua sexta edição, e com vários diferenciais: ganhamos mais dois dias, sendo um dedicado ao público infanto-juvenil, tivemos uma atração internacional, uma nova entrada, um novo palco, enfim, muita coisa pra absorver – e comunicar! – para um novato estreante no mundo do show business! rs

Quando o evento inicia, às 16h, à primeira vista, é encantador pelo universo de possibilidades que se apresenta. O que a gente não sabe é quanta energia está envolvida ali: na Feira do Paço, organizada pelo Instituto Amazônia mensalmente e que se juntou ao Passo a Paço nesta edição, encontrei a dona Cléo Lopes no comando da food bike que leva sua marca, “Delícias da Cléo”. Para estar ali, ela conta que precisou acordar às 5h (eu ainda estava sonhando) para dar conta de oferecer bolo de pote, salgados folhados, pão de queijo minas, entre outras delícias incríveis! E olha, não é puxação de saco gratuita, mas posso garantir que o pão de queijo estava divino!

Uma coisa que chamou a atenção, não apenas na Feira do Paço, mas no evento como um todo, foi a quantidade de pessoas fazendo fotos nos espaços “instagramáveis” – que, na prática, significa “espaços para tirar fotos e ganhar likes!”: a bicicleta rosa da Feira do Paço, os flamingos da entrada, o cenário tipicamente regional com as palafitas na Travessa Vivaldo Lima… até eu me rendi! Ok ok, o estagiário é Vasco, mas achou lindão, saca?, um bandeirão do Flamengo em uma das casas. E gente, o Passo a Paço é integração. E união também. Então aceitei a bandeira do Mengão no alto e segui adiante.

A caminho do Palco Banana, outro espaço instagramável, só que com direito a atrações imperdíveis, como Roberta Miranda – DE QUEM SOU FÃ CONFESSO –, fui registrar a missão de divulgar a nova entrada de acesso aos palcos, uma das novidades deste ano. Infelizmente, não pude realizar meu momento de tiete, mas foi em boa causa – a propósito, já conto a história do show dela.

Ah, já adianto logo, as nossas estruturas não devem em nada para certo evento que ocorre a cada dois anos no Rio de Janeiro e a outro, anual, em São Paulo. Pelo menos de acordo com a metragem, que fica em torno de 2 metros a menos do que os palcos desses festivais famosos.

Então, vamos ao momento em que vi, de pertinho, a cantora Roberta Miranda. Não pude pegar o início da apresentação pois estava escrevendo a primeira parte deste diário, mas quando cheguei, meu amigo, que atmosfera sensacional! Uma das rainhas da música sertaneja no meio do povo, no Palco da Banana!

Roberta Miranda no Festival Passo a Paço 2019 – Foto: Zeca Barcelos/Manauscult

Sim, não tô inventando ou exagerando. No auge de sua simpatia e carisma, a Roberta desceu no palco e passou no corredor que separa o público, cumprimentando a todos, tirando fotos! Que artista sensacional! E, você pode pensar “ah, isso é só marketing”… Te garanto que, além da generosidade, ela transpira espontaneidade. Ela gosta do que faz sim, e, para encerrar, atendeu cordialmente a imprensa e realizou o sonho de uma fã, cujo pedido foi amplamente divulgado nas mídias sociais.

Ah, e perdi também a entrega de rosas que ela fez para o público, no melhor estilo sou-clássica-e-ainda-faço-sucesso-hoje! Para minha surpresa, no retorno à base de apoio, encontrei duas senhoras que – , olhe só – conseguiram as tais rosas!

Ok, Tiago, mas e a Ludmilla? E Jaloo? Pois vamos lá:

Gente, a área portuária da nossa cidade é linda! Contemplar o pôr-do-sol com a ponte sobre o Rio Negro ao fundo e os barcos perfilados lado a lado é uma experiência única! Posso dizer que nossa cidade é privilegiada de ter tantos pontos ótimos não só para a fotografia, mas para a contemplação da paisagem amazônica.

Falando em fotografia, o nosso colega de trabalho Leonardo Leão (ele faz fotos incríveis, recomendo o prestígio) me sugeriu uma pauta incrível.

Ele encontrou um grupo indígena que estava participando do Passo a Paço pela primeira vez.

A Kamila, da etnia Mura, a Nira, Sateré-Mawé e a Elisangela, Cocama, contaram, muito entusiasmadas, sobre o Dia Internacional da Mulher Indígena. Para elas, a guerreira indígena é a guardiã das florestas e meio ambiente e que este dia, deve servir como alerta aos governantes para que promovam políticas de preservação.

Resolvi perguntar um pouco sobre a passagem delas por Manaus e se elas estavam querendo assistir um show, em especial. Logo disseram que não tinham uma preferência, mas que estavam se divertindo e dançando bastante com todas as atrações. E sim, também aguardavam a Ludmilla! Como diria a própria celebridade: “É hoje, é hojeeee!”

A cantora carioca entrou no palco da Plataforma Malcher por volta de 21h10 e contagiou a galera com músicas famosas, como “Favela Chegou”, “DinDinDin” e “Cheguei”, e também, canções do novo álbum “Hello Mundo”, lançado recentemente.

Ludmilla no Festival Passo a Paço 2019 – Foto: Leonardo Leão/Manauscult

Assim que pus os pés no Paço, logo me apressaram em dizer que muitos, mas muitos, muitos fãs da Ludmilla já estavam ansiosos nas primeiras filas. E eu com meus botões: mas gente, o show é só 21h?! E meu outro eu logo respondeu: “Tiago, é um festival!”

Olha, um momento épico e controverso, sem dúvidas, foi quando um fã invadiu o palco e conseguiu abraçar a Ludmilla. Ok, nós não gostamos e repudiamos tal ato, pois atenta contra a segurança de todos, mas ela foi muito receptiva e ainda deixou-o dançar uma música. E se tivéssemos uma revelação do rebolado? Deixo a critério da audiência.

Ah! Não posso deixar de citar que no outro palco a vibe foi intensa também: o aniversariante Jaloo colocou o Palco da Banana pra ferver. Pois bem, nossos amigos internautas movimentaram as redes sociais com posts, stories, comentários e ademais sobre ele. Eu confesso que não conhecia muito sobre o Jaloo. Mas, diante dessa energia, fiquei impressionado!

Jaloo no Festival Passo a Paço 2019 – Foto: Zeca Barcelos/Manauscult

E para fechar este dia, nada mais, nada menos que o sr. CeeLo Green – a primeira atração internacional do nosso Passo a Paço!

Uma verdadeira festa, um baile incrível. Quem apenas o conhecia pelo Gnarls Barkley teve a oportunidade de ver um artista completo e que sabe como trazer o público para o show. O ânimo foi tanto que ele até passou do horário estipulado. Mas ele queria assim. E o calor humano daqui deve tê-lo inspirado.

CeeLo Green no Festival Passo a Paço 2019 – Foto: Leonardo Leão/Manauscult

Com muita alegria, novidades, interações e surpresas, a edição 2019 do nosso Passo a Paço iniciou-se. Este diário de bordo traz ainda relatos de bastidores dos próximos três dias, trazendo o ponto de vista de um simples estagiário.

Tiago Souza
Equipe Viva Manaus